domingo, 28 de fevereiro de 2010

Fim.

Batia forte uma vontade sua,
Rasgava-me por dentro a ausência de seus beijos.
Uma a uma, iam embora minhas vontades. Minhas vaidades.
Nada seria como antes.
O meu mundo partira.

4 comentários:

Laís D'Ponte disse...

Min, que bom que voltou a postar!!!!!!!!!!

Gostei de seu texto.
Carregado de sensibilidade. Acredito que o fim nunca é o fim realmente. Penso, às vezes, que nós vivemos como se estivéssemos em um emaranhado de linhas. Chegar ao fim de alguma delas faz com que partamos para o início de outra.
As ausências doem, vez em quando...
Bom mesmo é permitir-se ficar triste por um momento. Depois, guardar lembranças boas e abrir uma nova janela para esse lugar confuso, o amor...

Beijão, querida!!!!

Yasmin Lara disse...

Exatamente isso Laisinha.
Fim. Recomeço.
O amor conhece ambas as coisas.

beijos

Márcio Vandré disse...

O meu mundo partiu.
Eu não parti.
Fiquei aqui remoendo o passado.
Pintando as crateras de azul para parecer água.
Cruzei as rachaduras da alma.
Estou aqui com meu guarda-chuva,
muito embora saiba que a chuva não há de vir.
Meu mundo, solitário e incerto.
Nem sol, nem vela.
Deve chegar um barco voador.
Cortando as nuvens de algodão.
Insensatez.


Saudade de você!!!
Beijão!!

Yasmin Lara disse...

Uma das coisas que eu mais gosto em vc, Marcinho, é que vc SEMPRE sabe exatamente o que dizer, rs.

Obrigada pela visita.
Abraços

=)