terça-feira, 28 de julho de 2009

Excessos

Tento lá longe
procurar outro lado,
a metade que falta,
aquilo que quer sobrar.
E no entanto me volto,
no espelho não acho
entre reflexos, atalhos
a peça encaixante
que vá me acalmar.
A dor excrucitante
se torna dormente,
minh'alma procura, demente
o nome dessa ausência presente
que teima a me incomodar.
Porém não vejo
nada mais que o meu desejo
de te encontrar.
É você o que sobra,
é você o que falta.
É voce meu excesso que teima em não me deixar.

4 comentários:

Márcio Vandré disse...

Geralmente tentamos insistir em peças que, de fato, não completariam esse quebra-cabeça complexo que é a vida.
Com a insistência, há desgaste da peça e do dedo.
Desgaste.
Palavra terrível.
Bem longe de mim.

A ânsia pelo ser que completa deve ser controlada e dosada.
O pássaro que admira o vôo não se sente bem preso. A avestruz não aceitaria voar.

Nossa, que devaneio! Haha!

Em suma, um belíssimo texto, Yasmin!
Um beijo!

Bia Maia disse...

Lindo, lindo blog!!
Passo a acompanhá-la!
Sinta-se sempre bem vinda lá em meu cantinho, onde escrevo com muito amor as minhas verdades, recheadas de coragem, alegrias, medos, e muita, mas muita VIDA!!!

Beijos com carinho especial!

Bia Maia

http://olhardentrodosolhos.blogspot.com

Yasmin Lara disse...

Márcio, obrigada pelo comentário. Mas que devaneio que nada, isso é uma verdade. A ânsia pelo ser -ou a coisa- que nos completa deve ser dosada.

Bia, obrigada pelo comentário tbm,moça. Pode ter certeza que irei visitar seu blog , sim. Adorei!!

Varnion, o lobo solitário disse...

Lindo o poema

Gosto do que trata assuntos comuns de formas tão não convencionais e belas.