domingo, 3 de maio de 2009

Perco-me

Perco-me porque sou pouca,
embora grande, vária e infinita.
Sempre mutável, como a lua.
Perco-me, pois o mundo é grande,
mas só enxergo sonhos mínimos.
Poucos.
Inalcansáveis.
Perco-me, por só ter aprendido a voar,
por não querer saber andar com os pés no chão.
Meu delírio é o dia-a-dia,
e faço da realidade minha mais inconfessável alucinação.
Perco-me por não ter caminhos, por não temer as viagens,
por não ter grandes saudades , nenhuma grande paixão.

Texto: Yasmin Lara

2 comentários:

Varnion, o lobo solitário disse...

Verdadeiramente bonito.
Adorei

fElIp£ disse...

Totalmente lindo, quem nunca se perdeu dentro de si msm, dentro do seus labirintos e medoS???

Simplismente simples e perfeito